Publicidade

Todos nós sabemos que a Segunda Guerra Mundial foi verdadeiramente uma guerra global no sentido de que as batalhas foram travadas em muitos dos continentes e oceanos do mundo.

Em outro sentido, a guerra foi global porque muitas nações se declararam a favor de um lado ou do outro. Obviamente, muitos mais se declararam pelos Aliados, tanto por razões políticas como por razões de parentesco e história.

No entanto, as nações do hemisfério ocidental, que não tinham cachorro na luta, declararam-se pelos Aliados. Existem várias razões para isso. A crença desempenha um fator, mas a economia era muito maior. Por exemplo, considere os benefícios econômicos de ser aliado dos Estados Unidos.

Você pode se perguntar se alguma das nações da América Latina que declarou guerra (e essa foi a maioria delas) alguma vez contribuiu para o esforço de guerra de alguma forma além de fornecer matérias-primas. A Nicarágua forneceu homens? E quanto ao México? Peru? Chile? Qualquer um deles?

Uma companhia do III Batalhão do 11º Regimento da Força Expedicionária Brasileira na Itália. 

A resposta é não, com uma exceção: o Brasil contribuiu com um contingente considerável de soldados que lutaram na Itália no final do conflito. Um desses “Brasileiros” foi Max Wolff. Um nome mais alemão que você não poderia inventar. Na verdade, Max Wolff era descendente de austro-germânicos por parte de pai.

Seu pai, envolvido com a indústria do café, havia migrado para o Brasil perto da virada do século. O pai de sua mãe era coronel do Exército Brasileiro. Wolff parecia o tipo ariano que Hitler idolatrava: alto, louro e de olhos azuis.

Wolff era o chamado “Teuto-Brasileiro”. Embora a América do Sul tenha se tornado um lugar para onde os líderes nazistas escaparam após a guerra, a verdade é que a América Latina, e especialmente o Brasil, era o lar de muitos descendentes de alemães e austríacos mesmo antes da Segunda Guerra Mundial.

Soldados brasileiros em uma trincheira durante a Batalha de Montese, abril de 1945.

Como muitos nos Estados Unidos sabem, há mais pessoas de ascendência irlandesa nos Estados Unidos do que na Irlanda. Bem, o mesmo se aplica aos descendentes de alemães, e nem todos os emigrantes alemães se estabeleceram na América do Norte.

A América do Sul, rica em recursos e barata, ligou para muitos deles. Estima-se que o Brasil tivesse uma população de cerca de um milhão de pessoas que reivindicaram ascendência alemã antes da Segunda Guerra Mundial.

Como nos Estados Unidos, as comunidades alemãs na América Latina estavam divididas em sua opinião sobre Hitler e o regime nazista. Muitas dessas pessoas, ou seus antepassados, fugiram do militarismo alemão / prussiano nos anos de unificação no final de 1800 e ainda mais vieram pela mesma razão antes da Primeira Guerra Mundial.

Oficiais do Exército Brasileiro, Primeira Guerra Mundial

No entanto, um grande número veio principalmente por razões econômicas. Naquela época, a Alemanha (como hoje) era uma nação densamente povoada e relativamente pequena, onde, para muitos, as oportunidades eram limitadas.

Suas carteiras podiam estar na América do Sul, mas seus corações ainda estavam na Alemanha. Muitos alemães na América Latina e no Brasil professavam admiração e lealdade a Hitler. Algumas dessas famílias enviaram seus filhos para lutar por Hitler, embora, por vários motivos, o número total seja desconhecido.

Wolff era um dos muitos alemães que odiava Hitler e tudo o que ele representava. Quando chegou a hora de fazer algo a respeito, ele e pouco mais de 25 mil de seus conterrâneos ingressaram na Força Expedicionária Brasileira (a sigla é “FEB”).
Oficiais do Exército Brasileiro, Primeira Guerra Mundial

Wolff era um dos poucos desses homens que tinha alguma experiência militar. Ele havia sido um policial militar que lutou contra forças antigovernamentais na Revolução de 1932 e foi gravemente ferido. Ele era um dos poucos “velhos” da unidade, e os mais jovens o viam como uma figura paterna.

Publicidade

Quando chegou a Hitler o boato de que o Brasil enviaria uma divisão de homens para lutar contra ele, ele zombou: “A chance do Brasil enviar tropas para lutar é quase a mesma que uma cobra fumando um cachimbo”. O apelido da unidade brasileira passou a ser oficial: “As Cobras Fumantes”.

Logotipo das Forças Expedicionárias Brasileiras.

Ao chegar à Itália no miserável dezembro de 1944, Wolff, um sargento, estava entre os milhares de Brasileiros encarregados de tomar Monte Castello. A montanha está localizada a cerca de 35 milhas (cerca de 56 quilômetros) a sudoeste de Bolonha e era um elemento-chave das fortificações alemãs no norte da Itália, pouco antes de a península se alargar no extremo norte.

Como muitas novas tropas, quando os brasileiros chegaram eles estavam ansiosos, mas despreparados. Apesar de sua falta de experiência, eles foram lançados na batalha muito rapidamente.

Escalando a colina, eles travaram um tiroteio com tropas alemãs experientes e começaram a atirar descontroladamente, geralmente contra o nada. Claro, isso trouxe uma barragem alemã sobre eles, a posição da montanha sendo o local de uma importante posição de artilharia alemã.

Mapa das ações brasileiras no norte da Itália, 1944-1945.

Um dos homens que se manteve firme foi Wolff. Ele se ofereceu para levar munição da retaguarda para as unidades avançadas e carregou os mortos e feridos das linhas de frente. Esse tipo de coisa se tornaria uma ocorrência regular para ele à medida que seus homens lentamente começassem a aprender os métodos de combate nas semanas seguintes.

Wolff e seu pelotão freqüentemente avançavam em missões especiais, emboscando patrulhas alemãs e fazendo reconhecimento.

Wolff logo se tornou conhecido como o “Rei dos Patrulheiros” por suas ações, principalmente quando seu comandante chamou voluntários para resgatar o corpo de um capitão brasileiro morto. O corpo do oficial estava sendo usado como isca por atiradores alemães, que atiravam em qualquer pessoa que se aproximasse do morto.

General Mascarenhas de Morais (banco traseiro, direita), oficial do Exército brasileiro e comandante da FEB, com o General Dwight D. Eisenhower, comandante das Forças Aliadas na Europa durante a Segunda Guerra Mundial.

Uma noite, Wolff liderou uma pequena unidade para resgatar o oficial caído.

Como a unidade de Wolff lutou sob o comando do corpo americano, ele recebeu a American Silver Star pelas ações que tomou em março de 1945.

13 brasileiros entraram em um campo minado alemão durante uma operação noturna e desencadearam uma reação em cadeia de minas. 13 homens estavam mortos. Além disso, as linhas telefônicas que iam da frente para o comando foram cortadas.

O general alemão Otto Fretter-Pico, comandante da 148ª Divisão de Infantaria, e o general italiano Mario Carloni se rendem às tropas brasileiras em 28 de abril de 1945.

Wolff e três de seus homens se ofereceram para resgatar os mortos e consertar as linhas de comunicação. Muitos acreditaram que não voltariam, mas alcançaram os dois objetivos da missão.

A última foto conhecida de Wolff mostra-o com um grupo escolhido a dedo de seus homens. Eles estão todos parados vagarosamente, todos armados com submetralhadoras Thompson. Pouco depois de a foto ser tirada, Wolff e seus homens foram enviados para patrulhar perto da cidade de Montese, 40 milhas (64 quilômetros) a sudeste de Bolonha.

Soldados brasileiros cumprimentam civis italianos na cidade de Massarosa, setembro de 1944.

Ao cruzarem um campo aberto com Wolff na liderança, uma metralhadora alemã disparou, atingindo o sargento brasileiro e matando-o instantaneamente.

Como isso ocorreu após semanas de uma campanha brutal de inverno nas montanhas, alguns dizem que Wolff desejava morrer. No entanto, ele foi lembrado por seus homens como um líder de grande bravura que colocou a vida de seus homens antes da sua.

Publicidade

Comentários

Comments are closed.