Publicidade

Durante a Segunda Guerra Mundial, cientistas e inventores de ambos os lados do conflito correram para desenvolver novas e aterrorizantes armas que poderiam inclinar a balança a seu favor. Muitas novas máquinas de guerra foram criadas e colocadas em prática nos campos de batalha em todo o mundo.

No entanto, o regime nazista tinha um talento particular para pensar fora da caixa; tão fora dele que muitas de suas idéias eram totalmente impraticáveis. De raios mortais no espaço a revólveres, aqui estão cinco armas rebuscadas que os alemães tentaram implementar.

Schwerer Gustav

O maior canhão já criado e implantado na história da guerra humana, esta arma gigante poderia disparar projéteis a um alcance de 29 milhas. Cada projétil era quase tão grande quanto um tanque normal. Ele correu sobre trilhos de trem e pesava cerca de 1350 toneladas. Seu nome se traduz como o Grande Gustav.

Em teoria, o canhão era uma perspectiva assustadora. Na produção, deve ter parecido a virada de jogo final contra as forças aliadas. Na prática, porém, o Grande Gustav provou ser quase totalmente inútil. Seu tamanho e peso eram impraticáveis. Um pequeno exército de trabalhadores foi necessário para montar a arma e preparar os trilhos da ferrovia necessários.

Um modelo do maior canhão já construído

Essa aterrorizante máquina de guerra era mais um obstáculo para os nazistas do que uma ameaça para seus inimigos. Ele teve uma ação mínima e foi posteriormente relegado aos livros de história como uma perda de tempo e esforço.

Era tão grande que é necessária uma engenhoca especial para movê-lo – o Landkreuzer P. 1500 Monster

Landkreuzer P. 1500 Monster

A grande arma Gustav, capturada pelos Aliados. Segunda Guerra Mundial

Adolf Hitler acreditava no que foi descrito como “armas para vencer a guerra” – armas novas e inovadoras que mudam a maré da guerra. Com esse espírito, ele encomendou o desenvolvimento e a construção de uma máquina de guerra verdadeiramente grande, conhecida como o Grande Gustavo. Esta enorme arma foi originalmente projetada para se mover em uma linha de trem, mas como isso exigia uma enorme quantidade de mão de obra, o Landkreuzer P. 1500 Monster foi proposto como uma solução.

Uma engenhoca autopropelida, destinada a tornar o Grande Gustav mais móvel. Uma máquina desse tamanho era inevitavelmente configurada para enfrentar alguns empecilhos práticos e funcionais. Por um lado, seu tamanho o tornava um risco estratégico. Seu peso absoluto destruiria estradas e pontes, e não poderia ser transportado por ferrovia pelo mesmo motivo. No final, a produção deste monstro foi colocada em espera.

Publicidade

Canhão Redemoinho

Em teoria, o canhão poderia explodir aviões do céu

Quando se trata do Canhão Redemoinho, o nome diz tudo. Esta arma foi projetada pelo excêntrico engenheiro austríaco Mario Zippermayr.

Ele criou uma explosão de ar em redemoinho que poderia disparar para cima, destruindo aviões no ar. Os primeiros protótipos pareciam ser muito eficazes, atingindo alvos a uma distância de 180 metros. Se a arma funcionasse em uma escala maior, poderia ter sido uma nova e formidável ameaça para os aviões de combate aliados, mas provou ser totalmente inadequada. Um modelo em escala real foi construído e testado no campo de provas da Artilharia Hillersleben, mas ele não conseguia disparar rajadas intensas o suficiente para atingir a altitude em que os aviões inimigos voavam. Após várias tentativas malsucedidas, essa arma notável foi descartada e o modelo de teste abandonado.

Goliath localizou a mina

Goliath localizadora de minas

Embora seu nome possa evocar imagens de um gigante, a Goliath Tracked Mine era um dispositivo notavelmente pequeno. Era um conceito simples; uma bomba em lagartas que podiam ser controladas de longe com um joystick. A ideia era fazer com que as forças alemãs os conduzissem em direção às linhas inimigas e os detonassem quando estivessem no alcance, sem colocar suas próprias vidas em risco.

Como tantas das invenções bizarras dos nazistas, isso só funcionou na teoria. A falha crítica em seu design era o elemento de controle remoto; para funcionar, um cabo estendido tinha que se estender do joystick até o tanque. Tudo o que as tropas aliadas precisaram fazer para desativar o dispositivo foi cortar o fio, ponto no qual as tropas alemãs não podiam mais dirigir ou detonar a bomba. Eles também eram extremamente vulneráveis ​​ao armamento antitanque, pouco prático no campo de batalha e muito caro de produzir.

Sun Gun

The Sun Gun era coisa de ficção científica

Uma das armas mais absurdamente irrealistas propostas e desenvolvidas por cientistas alemães durante a Segunda Guerra Mundial, a chamada Sun Gun é pura ficção científica.

O conceito básico envolvia construir e lançar em órbita uma estação espacial que seria capaz de refletir a luz do Sol de volta à Terra em raios intensamente controlados. Teoricamente, isso permitiria aos nazistas destruir cidades inteiras em um instante, mas “teoricamente” realmente é a palavra-chave aqui.

Embora os primeiros testes tenham sido executados e protótipos em miniatura construídos, até mesmo os cientistas nazistas por trás do conceito admitiram que levaria de 50 a 100 anos para colocar seu trabalho em prática. Para aproveitar a luz do sol como uma arma, eles acreditavam que precisariam de nove quilômetros quadrados de sódio metálico, suspenso quase 10.000 quilômetros acima da superfície da Terra. Sintomático das muitas ideias rebuscadas dos nazistas para super-armas, não havia futuro neste empreendimento em particular.

Publicidade

Comentários

Comments are closed.