Publicidade

Como adversários militares, comparar o Brasil com a França é como comparar mangas com batatas fritas. Os dois simplesmente não se cruzam. O Brasil, na verdade, tem militares maiores – quase 350.000 homens – incluindo várias brigadas de infantaria treinadas para a guerra na selva.

Em 2035, fuzileiros navais e paraquedistas franceses invadiram o Rio de Janeiro, enquanto tanques e infantaria invadiram o norte do Brasil. Essas forças são as precursoras da equipe militar expedicionária das Nações Unidas e estão determinadas a ocupar a região amazônica e transformá-la em uma zona ambiental internacional.

Esta é a última visão apocalíptica da Brigada do Chapéu de Estanho? Napoleão ressuscitou dos mortos? Não, este é realmente um cenário que os militares brasileiros estão planejando.

“A elite militar brasileira vê a França como uma ameaça estratégica para o Brasil”, disse o jornal Folha de São Paulo , que consultou uma reportagem militar brasileira. “Isso decorre do interesse renovado da França em internacionalizar a Amazônia.”

O estudo militar, intitulado “Cenários de defesa 2040”, examinou vários cenários potenciais no que o jornal brasileiro chamou de uma mistura de “considerações geopolíticas realistas e hipóteses um tanto delirantes”. Notavelmente, a previsão – baseada em entrevistas com 500 oficiais brasileiros de alto escalão – previu um cenário em que ultranacionalistas do sudeste asiático, enfurecidos com a força crescente do Brasil.

Mas em todos esses cenários, a França é o inimigo. Na invasão da Amazônia, por exemplo, as forças francesas operariam a partir da Guiana Francesa, que compartilha uma fronteira de 500 milhas com o norte do Brasil.

Não importa que a França não seja uma potência militar na América Latina desde o século XIX. O atual presidente francês Emmanuel Macron sugeriu em 2019 que a Amazônia fosse internacionalizada para sua própria proteção, depois que grandes incêndios florestais na região geraram poluição do ar em escala global. A extração madeireira e a pecuária estão constantemente corroendo a floresta amazônica, levando ao temor de que a região não funcionará mais como um absorvedor global de carbono, o que por sua vez poderia acelerar o aquecimento global.

Mas o apelo de Macron por uma Amazon internacionalizada enfureceu o presidente brasileiro Jair Bolsonaro, ex-oficial do Exército que defende o afrouxamento das restrições ao desenvolvimento privado da Amazônia.

Publicidade

Não surpreendentemente, diplomatas franceses no Brasil zombaram da “imaginação sem limites” dos autores do estudo. A França tem sido o “principal parceiro militar” do Brasil e ambas as nações desfrutam de “uma relação estreita e amistosa há décadas, conduzindo operações conjuntas no dia a dia”, destacaram.

“Ambos os países também assinaram acordos de parceria importantes, incluindo a construção de submarinos e helicópteros, e trocam mais de 7 bilhões de euros em mercadorias todos os anos”.  Em 2018, o Brasil lançou o primeiro de cinco submarinos franceses da classe Scorpene sob um acordo de US $ 7 bilhões com a França assinado em 2008. O negócio mais tarde estimulou as autoridades francesas a investigar se o suborno foi um fator na venda.

Como adversários militares, comparar o Brasil com a França é como comparar a manga com a batata frita. Os dois simplesmente não se cruzam. O Brasil, na verdade, tem militares maiores – quase 350.000 homens – incluindo várias brigadas de infantaria treinadas para a guerra na selva. Também possui uma indústria de armamentos doméstica substancial que exporta algumas armas conceituadas, como a aeronave de ataque leve Embraer EMB 314 Super Tucano, que os militares dos EUA quase compraram. Em 2019, o Brasil também recebeu seus primeiros caças a jato Gripen suecos. No entanto, apesar de algum armamento avançado, as forças armadas do Brasil não estariam na liga da França em termos de treinamento ou comando e controle.

A França tem armas nucleares, que são inúteis em uma missão de resgate ambiental (“tivemos que bombardear a Amazônia para salvá-la”). A França tem um exército de 200.000 homens com um único porta-aviões de propulsão nuclear e algumas unidades aerotransportadas de alta capacidade, forças especiais e unidades da Legião Estrangeira capazes de pequenas intervenções, como contra rebeldes islâmicos na África. Mas dominar o Brasil, a 5.000 milhas de Paris e com uma massa de terra do tamanho de toda a Europa, seria uma questão diferente.

Sem mencionar algo chamado de Doutrina Monroe, em que os Estados Unidos. deixou claro desde 1823 que invadir a América Latina por qualquer nação de fora – exceto os Estados Unidos – é proibido.

Tudo isso significa que as chances de a França invadir o Brasil são quase as mesmas que a França invadir o México novamente, como fez em 1861. Aconteça o que acontecer com a Amazônia, ela não fará parte da la gloire da França.

Fonte: French TV network France24.

Este artigo foi republicado a pedido de um leitor.

Publicidade

Comentários

Comments are closed.