Publicidade

O zelo que os Estados Unidos e a URSS tiveram para superar um ao outro na corrida espacial foi benéfico para o progresso científico.

A corrida espacial entre os Estados Unidos e a União das Repúblicas Socialistas Soviéticas após a Segunda Guerra Mundial foi um ponto de inflexão na história da humanidade. Essa corrida de superpotência intensificou a rivalidade da Guerra Fria porque, pela primeira vez, a humanidade estava procurando competir na arena espacial. O domínio do espaço e a corrida para superar um ao outro tornaram-se um motivo de orgulho tanto para os Estados Unidos quanto para a URSS.

A corrida espacial foi tão intensa que, nas décadas de 1950 e 1960, uma das duas superpotências estabeleceu uma nova referência quase todos os anos. Houve muitos “primeiros” durante a corrida espacial. O primeiro míssil balístico intercontinental em 1957, o primeiro satélite artificial (Sputnik 1) em 1957, o primeiro cão em órbita (enviado pelo Sputnik 2) em 1957, o primeiro satélite movido a energia solar, o primeiro satélite de comunicação, etc.

A Corrida Espacial não deixou apenas um impacto na área de pesquisa espacial, deixou um impacto mais amplo no campo da tecnologia. A superioridade tecnológica exigida para o domínio do espaço era considerada uma necessidade para a segurança nacional e era um símbolo de superioridade ideológica. A corrida espacial gerou esforços pioneiros para lançar satélites artificiais. Isso levou países competitivos a enviar sondas espaciais não tripuladas à Lua, Vênus e Marte. Também possibilitou voos espaciais humanos em órbita baixa da Terra e até a lua.

O zelo que os Estados Unidos e a URSS tiveram para superar um ao outro provou ser bastante benéfico para o progresso da ciência. A cultura de trabalho das duas superpotências estava em pólos opostos, mas ambas tentavam ser melhores do que a outra para se tornarem as melhores do mundo. Enquanto a URSS tinha uma configuração altamente centralizada que tinha impacto na fonte de investimentos em seu programa espacial, os Estados Unidos, por outro lado, conseguiram que atores privados investissem em seu programa espacial. A NASA, a principal agência de pesquisa espacial, também foi construída em 1958 durante a Corrida Espacial para conter o sucesso inicial da URSS no espaço sideral.

A corrida espacial começou com o lançamento do Sputnik 1 pela URSS em 1957, o que causou furor em todo o mundo. Os governos e as massas estavam entusiasmados em ver a humanidade dando outro salto em direção ao progresso. Quando a raça humana se aventurou no espaço, foi um momento de “mudança de paradigma”. Neil Armstrong pousando na Lua ainda é considerado um dos pontos de ruptura da história e suas palavras, “Isso é um pequeno passo para o homem, um salto gigante para a humanidade”, são agora uma das frases mais citadas na literatura.

Em um discurso ao Congresso em maio de 1961 , o presidente John F. Kennedy apresentou suas opiniões sobre a corrida espacial quando disse: “Estes são tempos extraordinários e enfrentamos um desafio extraordinário. Nossa força, bem como nossas convicções impuseram a esta nação o papel de líder na causa da liberdade ”.

“Se quisermos vencer a batalha que agora está acontecendo ao redor do mundo entre a liberdade e a tirania, as dramáticas conquistas no espaço que ocorreram nas últimas semanas deveriam ter deixado claro para todos nós, como fez o Sputnik em 1957, o impacto disso aventura na mente dos homens em todos os lugares, que estão tentando determinar qual caminho devem seguir. . . . Agora é hora de dar passos mais longos – hora de um novo grande empreendimento americano – hora de esta nação assumir um papel claramente de liderança nas conquistas espaciais, que em muitos aspectos pode ser a chave para o nosso futuro na Terra ”, acrescentou.

Publicidade

Os programas espaciais de ambas as superpotências não eram apenas para fins civis; era tanto sobre o programa espacial militar. Com isso, a ideia era travar a batalha com o rival, exibindo poder sem realmente ter que lutar uma guerra real. Nesse ponto, as Nações Unidas tiveram que intervir para garantir que o espaço sideral não se tornasse um campo de batalha para as superpotências.

Foi então que o Tratado do Espaço Exterior entrou em cena. O Tratado do Espaço Exterior representa a estrutura jurídica básica do direito internacional do espaço. Formalmente conhecido como Tratado sobre os Princípios que Regem as Atividades dos Estados na Exploração e Uso do Espaço Exterior, incluindo a Lua e Outros Corpos Celestiais, o tratado proíbe os Estados Partes do tratado de colocar armas de destruição em massa na órbita da Terra, instalando-as em a Lua ou qualquer outro corpo celeste, ou de outra forma posicionando-os no espaço sideral.

Limita exclusivamente o uso da Lua e de outros corpos celestes para fins pacíficos e proíbe expressamente seu uso para testar armas de qualquer tipo, conduzir manobras militares ou estabelecer bases, instalações e fortificações militares. Os soviéticos estavam relutantes em assinar esse tratado porque, em sua opinião, o tratado restringiria seu domínio sobre os Estados Unidos na corrida espacial. Posteriormente, eles assinaram o tratado em 1967, quando foi aberto para assinaturas. Até o momento, mais de cem nações se tornaram signatárias do tratado.

A corrida espacial não tinha uma data de término e em muitos aspectos a corrida ainda continua. Mas a “rivalidade espacial” acabou entre os Estados Unidos e a URSS em 1975, quando a primeira missão multinacional com tripulação humana foi ao espaço sob a missão de teste conjunto Apollo-Soyuz. Nessa missão, três astronautas americanos e dois cosmonautas soviéticos tornaram-se parte do primeiro voo espacial conjunto EUA-Soviética.

A corrida espacial deixou um legado no campo da pesquisa espacial em todo o mundo. Como pioneiros das missões espaciais, tanto os Estados Unidos quanto a URSS ajudaram seus aliados a construir suas missões espaciais por meio do treinamento de cientistas e engenheiros, da transferência de tecnologia e da permissão para que outros pesquisadores visitassem seus laboratórios espaciais. Dessa forma, ambas as superpotências podem aprender e aprimorar seus conhecimentos e habilidades relacionados à pesquisa espacial.

A missão espacial indiana estava em seu estágio inicial quando a corrida espacial estava no auge. O programa espacial indiano deve seu desenvolvimento e expansão à ajuda e assistência dos Estados Unidos e da URSS, porque cientistas e engenheiros espaciais indianos foram enviados para treinar em ambos os países. Por ser um país não alinhado, a Índia manteve um delicado equilíbrio entre manter boas relações com as duas superpotências, especialmente na área de cooperação espacial. Como resultado, a Organização de Pesquisa Espacial Indiana passou a se tornar uma das melhores instituições de pesquisa espacial do mundo.

Em suma, a corrida espacial é um dos momentos mais simbólicos da história da humanidade. É muito difícil avaliar seu impacto geral no campo da pesquisa espacial e da tecnologia. O que é certo é que, se não houvesse corridas espaciais, o mundo da pesquisa espacial e das missões espaciais seria definitivamente muito diferente de hoje.

Publicidade

Comentários

Comments are closed.