Publicidade

AS GUERRAS ESPACIAIS ESTÃO CHEGANDO.

O canhão espacial soviético era defensivo, mas contra o que ele teria se defendido?

Em 25 de junho de 1974, a estação espacial Salyut 3 e sua tripulação de dois cosmonautas explodiram no espaço. Na superfície, parecia apenas mais uma missão de exploração espacial. Os Salyuts eram a contraparte soviética do Skylab da América, espaçonave civil projetada para conduzir experimentos, testar o que acontece ao corpo humano durante voos espaciais de longa duração e, incidentalmente, reunir alguns pontos de propaganda da Guerra Fria.

**“cosmonauta” é um termo usado pelos russos; “astronauta” pela Nasa e as demais agências espaciais

Mas embora a missão fosse chamada de Salyut (“Salute”), era apenas um nome falso. Na realidade, Salyut 3 era a estação espacial militar Almaz 2.

A missão das estações Almaz era a vigilância, semelhante ao Laboratório de Orbitação Tripulada da Força Aérea dos Estados Unidos na década de 1960. A ideia era que um ponto de vista de 170 milhas de altura era o posto de observação perfeito. A América cancelou o MOL, mas os soviéticos lançaram três espaçonaves Almaz entre 1973 e 1976.

No entanto, havia algo diferente sobre Salyut 3 / Almaz 2. Não era apenas uma estação espacial militar. Era uma   estação espacial militar armada . O Almaz 2 foi equipado com um pequeno canhão para testar se a espaçonave soviética poderia se proteger das armas anti-espaciais americanas. 

Os detalhes são vagos, mas alguns surgiram com o tempo. “De acordo com relatos publicados, supostamente confirmados pelo comandante da espaçonave, Pavel Popovich, a estação carregava um canhão interceptador a jato soviético modificado. Era um canhão Nudelman-Rikhter ‘Vulkan’, semelhante aos modelos instalados no Mig-19, Mig-21 e o Sukhoi-7 “.

Algumas fontes acreditam que era um canhão de 23 milímetros, enquanto outras calculam o calibre de 30 milímetros. “A arma foi fixada ao longo do eixo da estação e apontada girando a estação, guiada por uma tela de mira no posto de controle da estação”. Uma artigo do Wikipedia afirma que o canhão teve 32 disparos.

Publicidade

O canhão foi aparentemente testado por controle remoto do solo, durante um período em que nenhum cosmonauta estava a bordo. Isto significa que Almaz  fez  disparar as suas armas, embora não com raiva. “Em 24 de janeiro de 1975, os testes de um sistema especial a bordo da Salyut-3 foram realizados com resultados positivos em intervalos de 3000m a 500m”, de acordo com uma   entrada da Encyclopedia Astronautica . “Esses foram, sem dúvida, os testes relatados do canhão da aeronave Nudelmann de 23 mm (outras fontes dizem que era um canhão Nudelmann NR-30 30 mm). Cosmonautas confirmaram que um satélite-alvo foi destruído no teste.”

O canhão do Almaz certamente não era uma arma ofensiva como o raio destruidor de planetas da Estrela da Morte, ou as bombas H que os americanos temiam que cairiam em suas cabeças durante o pânico causado pelo Sputnik nos anos 1950. No entanto, os especialistas divergem sobre o quão eficaz teria sido no combate espacial.

Oberg escreve que “em alcances de menos de um quilômetro ele poderia ter sido altamente eficaz, desde que não fosse disparado transversalmente ao movimento orbital da estação, caso em que a mecânica orbital teria trazido as balas de volta para a estação dentro de uma órbita!

Tony Williams,  que escreveu uma história de canhões e metralhadoras , disse a BBC que “a vibração foi certamente um problema, descoberto durante o disparo terrestre da arma instalada na espaçonave, e significou que a arma foi apenas testada no espaço durante missões não tripuladas. O recuo precisaria ser compensado pelo sistema de direção / propulsão da espaçonave. A falta de ar não seria um problema, mas imagino que os extremos de temperatura possam ter sido. “

O especialista em guerra espacial Paul Szymanski acredita que era possível operar o canhão no espaço, mas haveria alguns problemas, especialmente no controle de fogo. “A trajetória do projétil disparado seria curva, com base na gravidade (igual à da Terra), então o mecanismo de mira teria que dar conta disso, junto com as grandes velocidades da espaçonave Almaz e do alvo”. Além disso, destruir uma arma anti-espacial de alta velocidade a curta distância pode ter resultado em Almaz sendo atingido por detritos rápidos.

O canhão espacial soviético era defensivo, mas contra o que teria se defendido?

Em qualquer caso, é de lamentar o pobre cosmonauta que teria tentado derrubar um foguete que se dirigia a cinco milhas por segundo.

Publicidade

Comentários

Comments are closed.