Publicidade
Oficiais da companhia do BEF estudam mapas antes de atacar os alemães ao longo da linha de frente do Quinto Exército.

Os relatos da Segunda Guerra Mundial raramente mencionam que o Brasil foi o único país da América do Sul que lutou ao lado dos Aliados, dando uma contribuição significativa aos esforços militares contra a Itália e a Alemanha. As Forças Armadas brasileiras lutaram na Batalha do Atlântico e participaram da Campanha Italiana.

Alguns membros do BEF foram organizados como uma divisão de infantaria dentro do Quinto Exército dos EUA. Eles usavam uniformes americanos com patente brasileira e marcas de unidade.

Após a eclosão da Segunda Guerra Mundial, o Brasil manteve a neutralidade (durante a Primeira Guerra Mundial, o Brasil, junto com o Japão e a Romênia, apoiaram a Tríplice Entente). Durante o período de neutralidade da Segunda Guerra Mundial, o Brasil manteve relações comerciais com as Potências do Eixo e com os Aliados.

No entanto, com o desenvolvimento da guerra, o comércio com os países do Eixo tornou-se difícil. Para trazer o Brasil para o lado dos Aliados, os Estados Unidos colocaram pressão diplomática e econômica sobre o país. Por fim, uma Comissão Conjunta de Defesa Brasil-Estados Unidos foi criada para neutralizar a influência do Eixo na América do Sul.

General Mascarenhas de Morais (banco traseiro, direita), oficial do Exército brasileiro e comandante da FEB, com o General Dwight D. Eisenhower, comandante das Forças Aliadas na Europa durante a Segunda Guerra Mundial.

No início de 1942, o Brasil deu permissão aos Estados Unidos para instalar bases militares em seu território e, em troca, os Estados Unidos se ofereceram para estimular a formação de sua indústria siderúrgica. Em 28 de janeiro de 1942, durante a Conferência dos Estados Pan-Americanos no Rio, o Brasil rompeu relações diplomáticas com Alemanha, Japão e Itália.

Essa decisão fez com que os submarinos alemães e italianos afundassem 36 navios mercantes brasileiros, causando mais de 2.700 baixas. Diante desse cenário, manifestações e comícios anti-nazistas foram realizados em cidades brasileiras em agosto de 1942.

Soldados brasileiros cumprimentam civis italianos na cidade de Massarosa, setembro de 1944. Foto de Durval Jr.

Em 22 de agosto de 1942, o Brasil declarou guerra à Itália e à Alemanha. Em 28-29 de janeiro de 1943, durante uma reunião com o presidente dos Estados Unidos Franklin D. Roosevelt, o presidente brasileiro Getúlio Vargas propôs usar os militares brasileiros na Europa e no oceano Atlântico.

A principal tarefa da Marinha do Brasil era trabalhar em conjunto com os Aliados para garantir a segurança dos navios da área do Atlântico Central e do Sul com destino a Gibraltar. Juntamente com os Aliados ou sozinho, escoltou 614 comboios, protegendo 3.164 navios de tropas e navios mercantes.

Artilharia Brasileira em Linha Gótica, setembro de 1944.

Como parte de seu contrato de Lend-Lease, o Brasil também utilizou navios americanos (vários caçadores de submarinos, 8 contratorpedeiros escoltas e 3 contratorpedeiros). Na batalha contra os submarinos alemães, os submarinos e fragatas brasileiros usaram cargas de profundidade e minas. A Marinha do Brasil, segundo documentos alemães, atacou submarinos alemães um total de 66 vezes.

Os pilotos da Força Aérea Brasileira voaram um total de 445 missões, compreendendo 2.550 surtidas individuais. Embora esse número fosse de apenas 5% do total das missões no teatro europeu, os brasileiros conseguiram destruir 36% dos depósitos de combustível, 85% dos depósitos de munição e 28% das pontes que alvejavam.

Publicidade
Soldados brasileiros comemoram o Dia da Independência do Brasil na Itália durante a Segunda Guerra Mundial, setembro de 1944.

A Força Expedicionária Brasileira (BEF) inicialmente era de cerca de 100.000 pessoas divididas em três ou quatro divisões. Por causa das dificuldades encontradas com armamento, mobilização e transporte, só foi possível organizar cada divisão de infantaria com cerca de 25.000 homens, incluindo substitutos.

Além disso, alguns membros do BEF foram organizados como uma divisão de infantaria dentro do Quinto Exército dos EUA. Eles usavam uniformes americanos com patente brasileira e marcas de unidade.

Soldados da FEB durante o segundo assalto da Batalha de Monte Castello em 29 de novembro de 1944.

Em 2 de julho de 1944, o primeiro destacamento do BEF foi para a Europa a bordo do USS General Mann . Em 16 de junho de 1944 eles chegaram a Nápoles, 5.000 homens. No final de julho, mais dois transportes com soldados brasileiros chegaram à Itália. Mais dois em setembro e novembro de 1944 e um em fevereiro de 1945 os seguiram.

Os brasileiros chegaram em parte para substituir tropas francesas e americanas que em junho haviam sido enviadas ao sul da França para participar da Operação Dragão. Ao final de maio de 1945, o número total de militares brasileiros na Itália chegava a 25.334 pessoas.

1º GAVCA P-47s carregava o “Senta a Pua!” emblema como arte do nariz junto com as estrelas da Força Aérea Brasileira

Naquela época, popularizou-se a frase “quando as cobras fumam”, com significado semelhante à expressão “quando os porcos voam” em referência a algo que provavelmente nunca acontecerá. Depois de entrar na guerra, os membros do BEF orgulhosamente usaram um distintivo que representava uma cobra com um cachimbo na boca e se autodenominavam “Cobras Fumegantes”.

Os alemães, por sua vez, atribuíram grande importância à permanência das Forças Armadas brasileiras na Itália e fizeram propaganda contra elas. A Alemanha criou panfletos de propaganda voltados para os brasileiros e exibiu um programa diário de rádio em português chamado “Hora AuriVerde” (Golden-Green Hour).

Soldados brasileiros em uma trincheira durante a Batalha de Montese, abril de 1945.

O BEF obteve sucessos no campo de batalha em Massarosa, Camaiore, Monte Prano, Monte Acuto, San Quirico, Gallicano, Barga, Monte Castello, La Serra, Castelnuovo di Vergato, Soprassasso, Montese, Paravento, Zocca, Marano sul Panaro, Collecchio e Fornovo di Taro .

Na última ofensiva, os brasileiros chegaram a Turim e depois disso, em 2 de maio, juntaram-se às tropas francesas em Susa. No mesmo dia, foi anunciado o fim das hostilidades na Itália.

Cemitério Militar Brasileiro em Pistoia, Itália. Foto: Giovanni Baldini           

Durante seus oito meses de batalha na Itália, os Smoking Cobras perderam 450 soldados e 13 oficiais, mas por sua vez conseguiram capturar 20.573 soldados do Eixo.

Veja Também: Brasileiro que odiava Hitler ganhou a estrela de prata na Itália durante a 2ª Guerra Mundial

A Força Expedicionária Brasileira foi despachada para a Europa com um importante papel político e social, e as principais contribuições militares do Brasil lá se concretizaram durante a Campanha da Itália. Embora a participação do Brasil na Segunda Guerra Mundial possa não ter sido sozinha e decisiva, ela deixou sua marca na história.

Publicidade

Comentários

Comments are closed.