Publicidade

A Primeira Guerra Mundial foi devastadora em seu alcance e totalmente diferente do que os líderes nacionais esperavam. Como tal, foi visto por muitos como um acontecimento de terror imprevisível e sem precedentes.

Mas, na realidade, muitas das coisas que tornaram a Primeira Guerra Mundial distinta, tanto em seus horrores quanto em suas inovações, aconteceram antes. Três guerras, em particular, mostraram o que estava por vir.

A Revolução Francesa e as Guerras Napoleônicas – 1792-1815

A conexão mais óbvia entre a Primeira Guerra Mundial e as Guerras Napoleônicas está em sua escala e nas redes de tratados envolvidos. Desde o Oceano Atlântico até as estepes russas, essas guerras atingiram quase todas as nações da Europa. Embora houvesse precedentes na Guerra dos Sete Anos e na Guerra dos Trinta Anos, as guerras contra Napoleão e seus predecessores foram mais longe do que nunca.

A lista de nações envolvidas é reveladora. França, Rússia, Áustria, Grã-Bretanha e Rússia foram todos jogadores importantes. O papel proeminente da Prússia na guerra foi um importante ponto de viragem para aquela nação, desencadeando sua ascensão ao domínio e o eventual surgimento da Alemanha.

Mas a inovação mais importante dessas guerras não veio das nações envolvidas, mas dos homens que lutaram. 23 de agosto de 1793, uma data que poucos agora se lembram, foi um dos mais importantes da história militar. Naquela data, a Convenção Nacional Francesa, diante de inimigos muito superiores à sua porta, votou pela introdução do levée en masse, o primeiro recrutamento em massa da história.

Jacques-Louis David – O Imperador Napoleão em Seu Estudo nas Tulherias

De agora em diante, as guerras dos Estados-nação da Europa não seriam travadas por soldados profissionais, mas por populações inteiras de recrutas forçados. As conscrições em massa que viram uma geração morta nas trincheiras da Primeira Guerra Mundial começaram com um único voto em agosto de 1793.

Outras nações seguiriam mais tarde o modelo francês, em parte para se opor aos números franceses. Com mais nações e mais homens em armas do que nunca, a guerra europeia atingiu uma escala nova e devastadora.

A Guerra Civil Americana – 1861-1865

Baioneta Charge de Winslow Homer, Harpers Weekly 1862

Na década de 1860, muitas das tecnologias com as quais a Grande Guerra seria travada já existiam. Artilharia devastadora, rifles de carga de culatra e linhas de abastecimento ferroviário foram usados ​​na guerra. A revolução industrial estava em pleno andamento e uma forte base industrial era de vital importância para sustentar uma guerra.

De 1861 a 1865, o mundo veria o que aconteceria quando duas forças determinadas lutassem com todo o poder de uma máquina de guerra industrial.

Os campos de batalha da Guerra Civil eram mais parecidos com os de Napoleão do que com os da Grande Guerra. O uso contínuo de cargas de cavalaria e linhas de infantaria deu um exemplo que enganaria os comandantes de 1914. Mas os grandes cercos dos estágios finais da guerra, como os de Atlanta e Richmond, mostraram o que estava por vir. Homens agacharam-se por semanas a fio em trincheiras cavadas profundamente, enquanto projéteis bombardeavam os dois lados da linha. Os ataques vacilaram diante desses trabalhos defensivos e do poder de fogo oculto dentro deles. A guerra de trincheiras havia chegado.

Publicidade

A Guerra Civil também introduziu a ideia de que a guerra tinha que ser total. Não foi o suficiente para superar o inimigo em alguns lugares. A guerra entre as nações industrializadas significava oprimir o exército inimigo e a base econômica, reduzindo-os até que não tivessem mais nada com que lutar. Esta foi a estratégia do General Ulysses S. Grant durante a Campanha Overland e depois. Embora os civis não fossem o alvo, todo o resto era. As ferrovias foram rasgadas e seus trilhos torcidos além do uso; fazendas e fábricas foram destruídas. O tipo de ruína econômica que forçaria a Alemanha a se render em 1918 também colocou a Confederação de joelhos cinquenta anos antes.

Apesar de suas divisões profundas e dolorosas, a Guerra Civil também forjou um forte senso de nacionalismo americano, especialmente no norte. A importância relativa do espírito nacional, em oposição à identificação com um único estado, criou um patriotismo que apoiaria a intervenção da América na Europa em 1917-18.

A Guerra Franco-Prussiana – 1870-1871

Proclamação do Império Alemão, pintado por Anton von Werner

A Guerra Franco-Prussiana foi a terceira e última de uma série de guerras que levaram à unificação alemã. Em vez de unir a Alemanha conquistando seus vizinhos, os prussianos procuraram unir os territórios alemães fragmentados por uma causa comum.

Embora governado pelo rei Guilherme I, o verdadeiro cérebro da Prússia foi o principal ministro do rei, Otto von Bismarck, um dos políticos mais notáveis ​​do século XIX. Bismarck criou crises diplomáticas que desencadearam guerras contra a Dinamarca (1864) e a Áustria (1866). Isso deu à aliança de estados alemães separados um senso de poder e propósito unificado.

Finalmente veio a guerra franco-prussiana.

Soldados franceses com canhões de carregamento a boca na guerra franco-prussiana

Como a Guerra Civil Americana, a Guerra Franco-Prussiana viu o uso de tecnologia militar que teria um efeito maior durante a Primeira Guerra Mundial. Em particular, devastadoras barragens de artilharia de longo alcance foram vistas. As tentativas francesas de colocar em campo uma metralhadora precoce foram muito menos eficazes, devido ao seu mau uso tático e à falta de treinamento adequado antes de seu desdobramento.

Os prussianos fizeram uso efetivo das ferrovias para mobilizar rapidamente suas tropas e derrotar os franceses. O plano de Schlieffen usado em 1914 presumia que eles poderiam fazer isso novamente. A rápida derrota dos franceses também moldou esse plano, deixando os alemães confiantes de uma vitória fácil no oeste. Mas isso não levou em consideração as melhorias francesas nos anos intermediários, e assim 1870 deixou os alemães com um excesso de confiança que seria sua ruína em 1914.

Mais importante, porém, a Guerra Franco-Prussiana preparou o cenário diplomaticamente para a Primeira Guerra Mundial. O estado-nação da Alemanha nasceu oficialmente em 18 de janeiro de 1871, em meio à grandiosidade do Salão dos Espelhos na Versalhes ocupada. Uma nação forte, poderosa e confiante foi criada, perturbando o equilíbrio de poder na Europa. O Tratado de Frankfurt, que encerrou a guerra em 10 de maio de 1871, tirou a maior parte da Alsácia e partes da Lorena dos franceses e deu-as aos alemães. Isso, junto com a dor da derrota, despertou o ressentimento francês e garantiu a tensão entre as duas nações. Foi essa tensão que transformou um conflito dos Bálcãs de uma guerra na Europa Oriental em uma que engolfou todo o continente.

Publicidade

Comentários

Comments are closed.